Suplementos Alimentares e Alimentos Saudáveis para Mergulhadores






Os suplementos alimentares são populares entre as pessoas preocupadas com a saúde e com o condicionamento físico, incluindo os mergulhadores recreativos. Os mergulhadores frequentemente perguntam sobre os possíveis benefícios e efeitos adversos dos suplementos, usados tanto para o bem-estar geral quanto para a proteção de certas lesões de mergulho. Os suplementos alimentares são claramente úteis para pessoas com déficit crônico de nutrientes específicos, como vitamina C (escorbuto) ou vitamina D (raquitismo), mas os efeitos dos suplementos para pessoas saudáveis que comem uma dieta equilibrada são menos óbvios. O grande número de suplementos disponíveis hoje excede em muito nossa capacidade científica cumulativa para estudá-los todos, e assim o uso de suplementos cresce além da comprovação de seus benefícios.
Dano oxidativo
Os antioxidantes são moléculas encontradas nas células do corpo todo, onde eles ajudam a controlar os radicais livres derivados do metabolismo oxidativo. Os radicais livres são espécies reativas de oxigênio: moléculas contendo oxigênio quimicamente reativo que podem danificar células e tecidos. A maioria dos radicais livres são contidos com sucesso pelos antioxidantes. Algum dano oxidativo às células ocorre o tempo todo, mas a maioria é reparado. Danos permanentes, no entanto, podem causar alterações genéticas, várias doenças e envelhecimento mais rápido.

Respirar misturas de gases hiperóxicos - aqueles contendo mais de 21 por cento de oxigênio - por períodos prolongados causa danos oxidativos em mergulhadores. Isso pode afetar os olhos (causando miopia), os pulmões (causando dificuldade para respirar) e / ou o sistema nervoso central (causando vários sintomas, incluindo convulsões). Após décadas de pesquisa, não conseguimos prolongar o tempo do mergulho com gases respiratórios hiperóxicos sem o surgimento de sintomas. Em vez disso, aprendemos que existem limites à exposição ao oxigênio que os mergulhadores devem obedecer.

Além dos gases hiperóxicos, fatores como imersão, frio, hipóxia e esforço podem aumentar o estresse oxidativo. A acumulação de danos oxidativos de baixo nível ao longo do tempo pode danificar o DNA e possivelmente reduzir a longevidade.

Uma manifestação de dano pelo oxigênio é a perda da capacidade de auto-regulação das artérias, também conhecida como disfunção endotelial. O endotélio, a camada interna das artérias em contato com o sangue, libera óxido nítrico (NO), que relaxa os músculos lisos nas paredes arteriais para aumentar seu diâmetro e alterar seu tom. Estes mecanismos aumentam o fluxo sanguíneo e / ou reduzem a pressão sanguínea.
Dilatação Fluxo Mediada
Um teste não invasivo chamado dilatação fluxo mediada (FMD) pode avaliar a função endotelial através da medida do aumento do diâmetro de uma artéria após cinco minutos de circulação ocluída. Normalmente o diâmetro de uma artéria aumenta quando a circulação é restabelecida, mas não se houver disfunção endotelial. Vários fatores, incluindo o exercício e a ingestão de vários alimentos, pode provocar disfunção endotelial transitória. Suspeita-se que a lesão endotelial repetida pode contribuir para a aterosclerose e condições cardíacas agudas.

Usando a FMD, os pesquisadores encontraram disfunção endotelial em mergulhadores durante o mergulho em águas abertas e em câmaras hiperbáricas. Estudos mostraram que a redução da FMD foi mais pronunciada após mergulhos com nitrox, mas praticamente inalterada após mergulhos sucessivos e mergulhos com ar. A variabilidade da resposta foi grande, no entanto, e não existe uma ligação óbvia entre os resultados da FMD e a doença cardiovascular em mergulhadores. A diminuição da função endotelial é uma realidade do envelhecimento, e não foi provado que o mergulho a intensifique.
Antioxidantes
Os antioxidantes incluem vitaminas como a vitamina A e vitamina C, bem como minerais como o selênio, produtos vegetais, tais como flavonóides e produtos de origem animal como melatonina e ácidos graxos ômega-3. Os antioxidantes são usados na tentativa de controlar o estresse oxidativo e prevenir doenças relacionadas. Os três grandes antioxidantes são a vitamina E, a vitamina C e a glutationa. Várias outras pequenas moléculas - incluindo polifenóis, carotenóides, bilirrubina e ácido úrico — funcionam como antioxidantes. Estes estão contidos em alimentos e bebidas, incluindo carne, citrinos, chocolate, chá e vinho.

Além de ser importante para muitas funções corporais, a vitamina E (tocoferol) também é um antioxidante, reagindo prontamente com os radicais livres e inativando-os. A vitamina E é reciclada com a ajuda da vitamina C. Fontes naturais de vitamina E são abundantes, e a alimentação normal fornece o suficiente para atender às necessidades fisiológicas. Doses maiores de vitamina E têm sido usadas em esforços para tratar várias doenças como hipertensão, doenças cardíacas, câncer e mais, mas os estudos não encontraram nenhuma prova inequívoca de benefícios. Altas doses de vitamina E podem levar a hipervitaminose E, com possível deficiência de vitamina K e aumento do risco de sangramento. A vitamina E foi um dos primeiros suplementos utilizados para tentar evitar a toxicidade aguda de oxigênio em seres humanos, mas não teve êxito.

A


vitamina C melhora a cicatrização de feridas. Estudos em animais mostraram que a vitamina C pode prevenir a vasoconstrição das artérias coronárias causada por hiperóxia. Em estudos humanos, a vitamina C bloqueou a vasoconstrição hiperóxica e manteve o fluxo sanguíneo do antebraço. Pesquisadores estudaram possíveis efeitos protetores da vitamina C e vitamina E em mergulhadores saudáveis. Os mergulhadores que receberam uma dose única de 2.000 mg de vitamina C e 400 UI de vitamina E duas horas antes do mergulho tinham função endotelial normal e aqueles que receberam um placebo exibiram disfunção endotelial. Em outro estudo, os mergulhadores que receberam 1.000 mg de vitamina C e 400 UI de vitamina E diariamente durante quatro semanas mostraram diminuição atenuada da FMD pós mergulho. Nos mesmos estudos, as vitaminas impediram alterações em outras medidas de função cardiovascular que parecem ocorrer regularmente no mergulho.

Apesar do pequeno número de indivíduos estudados, esses resultados levantaram uma discussão entre os mergulhadores sobre o uso de vitamina C para protegê-los de possíveis efeitos adversos do mergulho para a saúde. A justificativa baseada em evidências ainda não está disponível. Não se sabe o que a disfunção endotelial transitória significa para a saúde a longo prazo ou se a vitamina C pode fornecer aos mergulhadores algum benefício de saúde mensurável. A ingestão regular de vitamina C é necessária para a manutenção da saúde, mas a dose recomendada é de cerca de 100 mg por dia, que pode ser obtido a partir de uma laranja ou uma porção de vegetais verdes. A dose para o tratamento do escorbuto é de 400 a 1.000 mg por dia durante uma semana e a dose máxima recomendada é de 2.000 mg. Não há evidência de que doses mais altas de vitamina C melhorem a saúde.
Chocolate
O cacau contém polifenóis, compostos flavonóides com efeitos antioxidantes, propriedades anticoagulantes e possivelmente outros efeitos benéficos. Os mecanismos envolvidos nesses efeitos incluem a redução do estresse oxidativo e o aumento da produção de NO endotelial, que ajuda na vasodilatação endotélio-dependente normal. Isto supostamente diminui a pressão arterial e também reduz o risco de doença cardíaca. A maioria dos estudos que alega benefícios do chocolate são estudos de pequena escala patrocinados ou mesmo conduzidos por fabricantes de chocolate.

Os benefícios do chocolate foram testados tanto em mergulhadores livres quanto mergulhadores autônomos. O estudo de mergulho autônomo foi conduzido em águas a 33° C a 33 metros de profundidade por 20 minutos sem parada de descompressão. Vinte e um mergulhadores comeram 30g de chocolate escuro (85% cacau) 90 minutos antes do mergulho, enquanto 21 mergulhadores do grupo controle não comeram chocolate. O estudo breath-hold teve 10 mergulhadores no grupo de chocolate e 10 no grupo de controle. Ambos os estudos descobriram que o chocolate escuro reduz a disfunção endotelial. Outros estudos conduzidos pelos mesmos autores descobriram que comer chocolate não teve efeito sobre a quantidade de bolhas de gás venoso pós-mergulho.





Vinho
Estudos in vitro do resveratrol, um composto encontrado no vinho, mostrou antioxidantes e outros efeitos que podem fornecer proteção contra o envelhecimento, várias doenças e morte. Outros estudos com animais confirmaram os efeitos benéficos.

Entre os benefícios encontrados estavam efeitos nas funções do músculo esquelético e cardíaco semelhantes aos efeitos de exercícios de resistência. Alegou-se também que o resveratrol melhora a perfusão do cérebro e fornece neuroproteção, ambos os efeitos podem ser úteis na redução do risco de doença descompressiva (DD).

Como suspeita-se que o resveratrol previne a disfunção das células endoteliais e a agregação plaquetária, alguns cientistas assumiram que ele poderia ajudar a prevenir a DD. Estudos recentes com o resveratrol encontraram diversos benefícios adicionais para a saúde que poderiam ser interessantes para os mergulhadores, mas a quantidade de resveratrol usada nesses estudos exigiria beber de 50 a 3.000 litros de vinho por dia. Em estudos com vinho integral, os benefícios não puderam ser determinados em função dos efeitos confusos do consumo de álcool.
Suco de Beterraba
A beterraba é uma grande fonte de nitratos, que o corpo pode transformar em NO. Alguns estudos descobriram que o NO pode promover uma melhora na FMD, diminuição da pressão arterial, diminuição das necessidades de oxigênio para o mesmo nível de exercício e melhor desempenho no exercício. Mecanismos para tais melhorias nos níveis de tecido celular e muscular, no entanto, não foram encontrados. Outros estudos contradizem esses resultados e não alegam efeito da suplementação de nitrato no desempenho do exercício ou outras funções fisiológicas.





Os pesquisadores estudaram o uso de suplementos de NO em mergulhadores com a justificativa de que o NO pode estar envolvido na formação de bolhas e danos endoteliais causados pelas bolhas. Em um estudo, a nitroglicerina (um doador de NO) foi administrada por via intravenosa a animais 30 minutos antes da descompressão de um mergulho de três horas a 40 m. A quantidade de bolhas de gás venosas após a descompressão foi 10 vezes menor em animais experimentais do que nos controles. Os pesquisadores também testaram nitroglicerina em mergulhadores de águas abertas a 30 metros por 30 minutos e em mergulhos em câmaras hiperbáricas a 18 metros por 80 minutos. Os mesmos mergulhadores fizeram cada mergulho duas vezes. Trinta minutos antes do segundo mergulho nas mesmas condições, os mergulhadores receberam nitroglicerina por via oral. A quantidade de bolhas de gás venosas pós mergulho detectada em mergulhadores foi menor quando receberam nitroglicerina antes do mergulho. Esses resultados pareciam promissores, mas a evidência não é suficiente para que se considere a recomendação de dar nitroglicerina aos mergulhadores — o benefício potencial foi demonstrado em experimentos envolvendo exposições extremas não comuns no mergulho recreativo.

Desde esse estudo, nenhuma outra pesquisa reproduziu esses resultados ou avançou em direção a uma possível aplicação prática. A nitroglicerina é uma droga poderosa que não deve ser usada sem receita médica. Ele pode causar efeitos colaterais quando tomada sozinha ou em interação com outros medicamentos ou suplementos e, portanto, não deve ser tomada para o mergulho.

Suplementos com L-arginina (outro doador de NO) podem ajudar a baixar a pressão arterial, e as pessoas que tomam devem estar cientes de possíveis interações com alguma medicação que eles estejam usando. Suco de beterraba, por outro lado, pode ser adicionado à sua dieta sem muita preocupação. Apenas lembre-se de que não foi provado que nenhum desses produtos ofereça efeitos protetores específicos para os mergulhadores.

Suplementar ou Não Suplementar
Consumir suplementos alimentares e certos alimentos pode alterar a disponibilidade de substâncias, como o NO, que participam em processos fisiológicos básicos. Pode até causar alterações mensuráveis, mas temporárias, em algumas funções, como a FMD. Em situações experimentais pode afetar a quantidade de bolhas de gás venosas presente após mergulhos. Mas esses efeitos não são intensos o suficiente para sugerir, por exemplo, que um antioxidante irá diminuir o risco de DD em um mergulho na vida real ou que, sem esses suplementos o mergulho traria problemas de saúde a longo prazo.





A Força-Tarefa de Serviços Preventivos dos Estados Unidos, que regularmente revisa evidências e fornece recomendações, descobriu que a vitamina C, a vitamina E e alguns outros minerais e suplementos estudados não proporcionam benefício a indivíduos saudáveis em relação a doenças cardíacas, câncer e mortalidade.1 Muitos outros suplementos no mercado fazem várias alegações de saúde com pouca ou nenhuma prova. Uma dieta saudável e equilibrada irá fornecer todos os micronutrientes que você precisa. Se você gosta de chocolate, cuidado com o excesso de açúcar. Se você beber vinho, o aprecie com moderação, e não beba antes de mergulhar. Lembre-se, a sua segurança subaquática depende de seus comportamentos no mergulho e bom senso, não dos alimentos que você come.
Estresse oxidativo
A energia necessária para sustentar a vida é produzida dentro das células pelo metabolismo oxidativo. Esse processo quebra moléculas complexas de micronutrientes, liberando sua energia química e armazenando-a em pacotes prontos para uso chamados adenosina trifosfato (ATP). Isso pode ocorrer através de várias vias, mas o único processo sustentável inclui o oxigênio como um receptor de elétrons liberados das ligações químicas ricas em energia. Nesse processo, surgem várias formas de moléculas muito reativas contendo oxigénio. Chamadas espécies reativas de oxigênio (EROs), ou radicais de oxigênio, essas moléculas desempenham papéis importantes na saúde e na doença.

A quantidade de EROs aumenta com a atividade física e a intensidade do metabolismo. A exposição a hipóxia, hiperóxia e radiação ionizante também pode aumentar a produção de EROs. Glóbulos brancos em contato com bactérias liberam grandes quantidades de EROs, que matam as bactérias. O excesso de EROs pode ser neutralizado por várias substâncias protetoras chamadas antioxidantes. O estresse oxidativo é uma condição na qual a quantidade de EROs gerada excede as capacidades antioxidantes existentes. O estresse oxidativo leve pode melhorar as funções corporais (promovendo o crescimento muscular, por exemplo), mas o estresse excessivo pode causar várias doenças e acelerar o envelhecimento. Esforços para prevenir doenças e prolongar a vida incluem estratégias para reduzir o estresse oxidativo e aumentar a disponibilidade de antioxidantes no corpo.
Referencia
1. Fortmann SP, Burda BU, Senger CA, Lin J, Beil T, O'Connor E, Whitlock EP. Vitamin, Mineral, and Multivitamin Supplements for the Primary Prevention of Cardiovascular Disease and Cancer: A Systematic Evidence Review for the U.S. Preventive Services Task Force. Evidence Report No. 108. AHRQ Publication No. 14-05199-EF-1. Rockville, Md.: Agency for Healthcare Research and Quality; 2013.

© Alert Diver — 2º Trimestre 2016

Language: EnglishSpanish