Santa Barbara: A Ilha Elusiva




Esta vista aérea mostra a pequena Ilha de Santa Bárbara vista de nordeste.


Eu pisco os olhos para afastar o sono e olho para o teto do meu beliche na penumbra. Eu posso ouvir o leve rangido do barco, cujos pequenos movimentos podem indicar que ou o mar está muito calmo hoje ou estamos ancorados em uma enseada bem protegida. Eu detecto o aroma de bacon frito e ouço as vozes mudas, mas nada sugere uma resposta à pergunta em minha mente. Eu balanço minhas pernas para fora da cama, pulo no chão e tateio meu caminho até as escadas, finalmente permitindo que meus pensamentos borbulhem para a superfície.

"Onde diabos eu estou? " Murmuro furtivamente.

Isso pode soar como um cenário ruim, mas não é uma contemplação do nascer do sol incomum para mergulhadores que reservam um barco para a Ilha de Santa Barbara, um minúsculo pedaço de terra a 38 milhas da costa da Califórnia. Com aproximadamente 2,6 quilômetros quadrados de área e o pico mais alto com 193 metros de altura, é a menor das Ilhas do Canal da Califórnia. Seu isolamento e pequeno tamanho se traduzem em um abrigo mínimo contra ondas muito grandes, portanto só é possível mergulhar ali em condições ótimas. A distância do continente complica ainda mais a questão — a maioria das viagens de barco envolve um pernoite.

Passageiros esperançosos embarcam à noite, prendem seu equipamento e sobem nos beliches, sempre rezando para que o Oceano Pacífico coopere. Mais frequentemente do que o contrário, eles acordam e descobrem que estão ancorados em um local mais clemente, como no protegido lado oriental da Ilha Catalina, que é muito maior. A perseverança é essencial, entretanto, pois a Ilha de Santa Bárbara pode apresentar características tanto das Ilhas do Canal do Sul quanto do Norte, e o faz com regalias bônus, como águas azuis transparentes e criaturas pelágicas.

Nos últimos dez meses minhas tentativas de chegar à Ilha de Santa Bárbara não foram bem-sucedidas, portanto eu subo silenciosamente as escadas até o convés, murmurando apreensivamente, "O que será dessa vez? Ilha pequena ou ilha grande? Pequena? Ou grande? " Quando chego ao topo da escada, eu expiro e elevo meus olhos lentamente em direção à janela, e não posso evitar o sorriso que me domina: Conseguimos! Reluzindo ao sol está meu pequeno pedaço de terra, um local que para muitos representa o ponto alto do mergulho das Ilhas do Canal da Califórnia.

Meu dupla de mergulho já está no deck, bebendo café enquanto verifica mais uma vez seu equipamento, e nós olhamos um para o outro em deleite, concordando sem palavras que estaríamos na água assim que os portões se abrissem para o mergulho. Uma rápida olhada ao nosso redor melhora ainda mais meu humor inebriado. O mar calmo como uma piscina nos permitiu ancorar em um dos locais mais expostos da Ilha de Santa Bárbara, o Reef Arch, identificável pela aparência de água fervente onde a topologia de mesmo nome quase quebra a superfície da água.


Um mergulhador admira a exuberante vida marinha de Hidden Reef.
Abaixo da superfície do oceano, um arco de 9 metros de largura incrustado de esponjas — e Corynactis — domina a cena. Seria mais fácil ficar o mergulho inteiro acima dos 14 metros explorando a grande estrutura rochosa, mas nós temos outros objetivos. Passando através do arco, deixamos os outros mergulhadores para trás e nos dirigimos para noroeste por uma floresta de kelp em desnível patrulhada por raias até chegarmos a Hidden Reef. A 18 metros de profundidade, a encosta rapidamente cai formando um mini paredão rochosos que fornece esconderijos para lagostas e substrato para grandes gorgônias vermelhas e grupos de hidrocorais roxos. Grandes lingcods e peixes-escorpião-da-Califórnia nos observam juntamente com estrelas-do-mar coloridas.

Quando nos viramos para voltar para o barco vemos uma estranha massa prateada à distância. Conforme ela se aproxima, nós a reconhecemos como um grande cardume de mackerels. Segundos mais tarde somos rodeados pelo caos, com o cintilante cardume de pequenos peixes girando ao redor de nós enquanto um pequeno grupo de leões-marinhos conduz os peixes em pânico através do kelp em direção a águas profundas.


Um two-spot octopus espera presas desavisadas nas rochas próximas a Ilha Sutil.
Conforme a manhã progride, o oceano permanece calmo como uma piscina, portanto navegamos para sul em direção à pequena Sutil Island. Enquanto o capitão está ancorando próximo ao lado sul da ilha, eu vejo um doce rosto pintado, piscando acenando para nós a partir da superfície: uma foca. Como eu só consegui fotografar apenas uma ou duas dessas tímidas criaturas em todos os meus anos de mergulho, eu reconheço a peça. Eu cutuco meu dupla e gesticulo exasperado em direção à foca. Meu dupla ri e responde em um tom jocoso, "Ó, olhe para mim! Eu sou uma foca incrivelmente adorável. E eu vou incrivelmente desaparecer no momento em que você entrar na água. " Rindo, nos equipamos e entramos, manobrando através da fragmentada floresta de kelp para chegar a Sutil Pass, que fica entre as ilhas Sutil e Santa Barbara.

Nós passamos por polvos vermelhos e two-spot octopus, uma variedade incomum de nudibrânquios e island kelpfish nas pedras. Ao chegarmos a uma profundidade de 18 metros o kelp forma uma densa floresta repleta de gorgônias vermelhas e douradas e cheia de blacksmith. Estávamos fotografando a cena quando senti um rápido puxão no meu pé esquerdo. Eu olhei para trás e vi a ponta da minha nadadeira na boca de uma jovem foca, que nos havia seguido até a passagem.


Uma foca curiosa em Sutil Pass fica apaixonada por seu reflexo no domo de um fotógrafo.
Como você deve ter depreendido, o comportamento normal das focas coloca a criatura em fuga aparentemente em choque assim que um mergulhador olha fixamente para ela. Entretanto, essa foca em particular parece obstinadamente, estranhamente, determinada e se tornar minha melhor amiga. Após ela terminar de mastigar minha nadadeira, ela decide me revistar subindo pelas minhas pernas, encostando em minha caixa estanque e se enrolando em minha cabeça. Quando ela termina o processo, ela nada se afastando alguns metros, apenas para voltar às minhas nadadeiras e começar do zero. Essa inspeção é repetida várias vezes, me fazendo rir tanto que eu mal consigo manter meu regulador na boca. Finalmente, minha nova melhor amiga parece satisfeita com sua avaliação completa e nada embora, nos deixando histéricos e com tão pouco ar que decidimos voltar para o barco.

Como aparentemente estamos com sorte, perguntamos ao capitão sobre a possibilidade de mergulhar com cações-anjo. A Ilha de Santa Bárbara é um dos melhores lugares no sul da Califórnia para avistar esses tubarões achatados, parecidos com raias, mas não temos visto muitos nos últimos anos. Acontece que estamos com sorte: os outros mergulhadores estão tão animados quanto nós com a ideia, e a tripulação tem um lugar secreto onde quase sempre os tubarões são vistos.

Nós navegamos ao largo da ponta norte da ilha em direção a Elephant Seal Cove e ancoramos próximo a Shag Rock. No começo ficamos um pouco desanimados por não avistarmos nenhum elefante-marinho na área, mas nosso desapontamento logo passa. Ao descermos aos 10 metros de profundidade em águas azuis nebulosas, a primeira coisa que vemos é um par de cações-anjo sobre a areia. O lugar por si só, algumas poucas rochas dispersas cobertas por ouriços-do-mar em um fundo arenoso, pode não parecer terrivelmente interessante, mas durante nosso mergulho encontramos um total de seis cações-anjo (mais do que jamais havíamos visto em um dia de mergulho) e várias raias também.


A Ilha de Santa Bárbara é um dos melhores lugares do mundo para se ver leões —marinhos de perto.
Muito antes de chegarmos, podemos ouvir latidos vindo de The Rookery, uma das maiores colônias de leões-marinhos-da-Califórnia no Estado (e consequentemente, um dos melhores lugares do mundo para vê-los na água). O barco mal tinha parado de se movimentar quando uma flotilha de adolescentes tempestuosos se aproxima, estridentemente insistindo para que todos os mergulhadores fossem para a água imediatamente. Nós obedecemos às suas ordens e imediatamente nos vemos cercados. Jovens leões-marinhos estão por toda parte, mastigando nosso capuzes, nadadeiras e flashes. O pandemônio continua por um curto espaço de tempo, e então, tão rapidamente quanto eles apareceram, os leões-marinhos partem ganindo e com movimentos ruidosos e cheios de bolhas.

Nós aproveitamos a tranquilidade do momento para explorar o kelp próximo, onde descobrimos um kelpfish gigante timidamente zanzando através da floresta e pequenos california sea hares escalando as folhas. Em pouco tempo, o grupo de leões-marinhos volta, e eles exigem nossa atenção exclusiva até a hora de terminar o mergulho. Temos uma escolta barulhenta e que espirra água por todo o percurso até a plataforma de mergulho, quando nos despedimos de nossos roucos companheiros e arrumamos as malas para ir para casa.

O motor é ligado, e conforme o barco vira em direção ao continente não há dúvida de onde estamos. Estamos ao lado de nossa Ilha do Canal favorita (Nós diremos isso!), contemplando um dia memorável enquanto nossos equipamentos secam no sol de final de tarde. Nós observamos enquanto o minúsculo pedaço de terra fica cada vez menor no horizonte, desaparecendo entre água e céu azuis.





Como Mergulhar Lá
Como Chegar Lá: Barcos de mergulho saem de Santa Barbara, Ventura, San Pedro/Long Beach e de San Diego. A travessia leva aproximadamente seis horas, portanto na maioria dos barcos o embarque e a saída são à noite, chegando cedo na manhã seguinte. A Ilha de Santa Bárbara também é um destino comum em viagens de vários dias pelas Ilhas do Canal, que também podem incluir paradas em outras ilhas como San Clemente, Anacapa e Catalina.

Condições: A temperatura da água varia de 10-18°C dependendo da estação, profundidade e correntes. Roupas úmidas completas de 7mm e luvas são necessárias durante o ano todo, sendo as roupas secas uma melhor opção nos meses mais frios de inverno e primavera. A visibilidade é frequentemente boa ou excelente, variando entre 12 metros próximo ao local dos leões-marinhos até mais de 33 metros no lado de trás exposto da ilha. Por causa da distância até o continente, e da possibilidade de rápidas mudanças de condições, de mar agitado e de correntes, a maioria dos locais são considerados intermediários ou avançados.

Aventura na Superfície: A Ilha de Santa Barbara é um local de nidificação de aves marinhas e também é o lar de várias colônias de pinípedes. Caminhar em trilhas é permitido, e a íngreme trilha que leva aos penhascos da ilha é acessível por barco no cais de Landing Cove. Baleias azuis, cinzas e jubarte podem ser avistadas durante suas migrações para norte e sul, assim como grandes grupos de golfinhos-de-laterais-brancas-do-Pacífico, golfinhos comuns e de-Risso, o que significa que a travessia pode ser quase tão interessante quanto o mergulho.
Saiba Mais
Veja mais da Ilha de Santa Bárbara na galeria online bônus de Andy e Allison Sallmon.

© Alert Diver — 2º Trimestre 2015


Language: EnglishSpanish