Primeiros Socorros em Saúde Mental Após um incidente de esporte-aquático




Testemunhas, vítimas, amigos, familiares e provedores de primeiros socorros podem se beneficiar de apoio emocional imediatamente após um evento traumático.

Um grupo de seis mergulhadores se dirige de barco para um ponto de mergulho popular. Eles mergulham em duplas, fazendo um rodizio de forma que uma dupla fique sempre no barco. Os mergulhos são tranquilos até que um barco a motor, indiferente à conspícua bandeira de mergulho tremulante, rapidamente se aproxima de uma dupla que está chegando à superfície. Os outros mergulhadores assistem horrorizados enquanto o barco a motor acelera em direção ao cabo da boia. Quando a onda abaixa, eles conseguem ver que um dos mergulhadores na água está sangrando profusamente do pescoço, rosto e cabeça. Ao puxarem ele para o barco, fica claro que será uma recuperação e não um resgate. Eles contatam a guarda costeira por rádio e dirigem-se para a marina mais próxima, onde paramédicos e a polícia encontram com eles. Chegando à praia, alguns membros do grupo de mergulho parecem abalados enquanto outros parecem relativamente impassíveis.

Muitas pessoas aprendem habilidades de primeiros socorros para lidar com casos de lesões físicas, mas poucas aprendem como ajudar com as consequências emocionais de eventos traumáticos. Tanto as vítimas quanto as testemunhas de eventos traumáticos podem apresentar reações emocionais e físicas desconcertantes e preocupantes, o que pode ter repercussões duradouras se não forem enfrentadas à tempo. Esse artigo apresenta estratégias práticas para reconhecer e aprender a como gerenciar os riscos de situações emocionalmente estressantes.
Reações a Eventos Traumáticos
A maioria das pessoas passa por algum tipo de evento emocionalmente traumático, desde eventos manejáveis até outros difíceis de lidar, ao longo de sua vida. Apesar da universalidade dessas experiências, todas as pessoas expostas a traumas reagem de forma diferente, e muitas inevitavelmente sentem um emaranhado de emoções. Para esses indivíduos, eventos aparentemente sem sentido podem causar um sentimento profundo de perda de controle e gerar medos de que o mundo no geral seja um lugar inseguro.

Vivenciar, testemunhar ou até ouvir de um amigo, membro da família ou da mídia sobre um evento traumático pode produzir angustia psicológica. No contexto de esportes aquáticos, como mergulho autônomo, o evento traumático é geralmente inesperado e ou causa ou pode causar lesões serias ou risco de vida. Em outras palavras, o evento é tão extremo que a mente pode resistir a aceitar totalmente sua realidade.

A confusão de emoções que às vezes vem depois de um trauma é causada pela mente tentando se distanciar do perigo. Mais tarde a mente normalmente começa a processar o evento, algumas vezes causando desconforto e angustia.

Raiva e tristeza frequentemente afloram na esteira do trauma e podem até começar a dominar as reações a experiências não relacionadas. Essas emoções podem tornar mais difícil a realização de tarefas rotineiras, enquanto tentativas de compreender e digerir o evento podem fazer com que a mente repetidamente relembre ou reconstrua o que aconteceu.

Algumas reações comuns a eventos traumáticos incluem:
  • incredulidade ou confusão
  • flashbacks ou pensamentos introspectivos sobre eventos atuais ou anteriores
  • angustia ao ser exposto a lembranças do incidente
  • "culpa do sobrevivente" ou sentimentos de auto-culpabilização
  • tristeza, raiva, frustração, inquietação, impotência e / ou entorpecimento emocional
  • sentir uma grande necessidade de falar ou ler sobre o evento
  • medo ou ansiedade com relação ao futuro
  • dificuldade em se concentrar ou tomar decisões
  • redução do interesse nas atividades
  • aumento do desejo de ficar sozinho
  • perda ou aumento de apetite
  • alterações no padrão de sono
  • aumento do uso de nicotina, álcool ou outras drogas
  • dores de cabeça, dores nas costas ou desconforto estomacal
  • aumento da frequência cardíaca ou dificuldade de respirar

Negar os efeitos emocionais de um evento pode oferecer proteção de curta duração contra os sentimentos negativos sobre circunstancias incontroláveis; entretanto, a negação geralmente não funciona como um mecanismo a longo prazo de lidar com a situação, em parte porque ela pode fazer com que as pessoas fiquem "dormentes" ou se sintam como se elas estivessem em uma nuvem ou bolha.

É normal ter algum tipo de reação a um evento traumático. Quanto mais pessoal for o evento, mais forte essa resposta tende a ser; entretanto, reações fortes também podem ocorrem mesmo quando o evento não é percebido como pessoal. Reações como culpar os envolvidos também são normais e podem ser protetoras, permitindo que as pessoas mantenham seus sensos de segurança.

Mesmo sem ajuda profissional, a maioria das pessoas irá começar a recuperar um senso de normalidade em pouco tempo, normalmente dentro de uma ou duas semanas. O apoio de amigos e da família pode reforçar essa recuperação. Outros recursos úteis na comunidade podem incluir a igreja, líderes comunitários, serviço de aconselhamento da escola ou do trabalho, departamentos de emergência de hospitais, assistentes sociais, psicólogos ou outros profissionais que trabalham com saúde mental. Para pessoas que tem dificuldade em lidar com eventos traumáticos, recomenda-se uma terapia especializada.
O Que é Primeiros Socorros em Saúde Mental?
Semelhante aos primeiros socorros tradicionais, que envolvem o apoio físico para indivíduos sofrendo de doenças ou lesões antes que a ajuda profissional esteja disponível, os primeiros socorros em saúde mental se concentram em oferecer apoio emocional para aqueles afetados por eventos traumáticos antes que a crise seja resolvida ou que a ajuda profissional seja necessária ou procurada. Os objetivos principais dos primeiros socorros em saúde mental são promover a segurança, a calma e a esperança em indivíduos afetados e encoraja-los a acreditar em suas próprias capacidades de lidar com a situação. Os primeiros socorros em saúde mental buscam aliviar ou moderar a resposta de estresse emocional imediata após um evento traumático.
Como Ajudar
Assim como nos primeiros socorros tradicionais, a segurança física é primordial. Uma vez que a segurança esteja garantida para todos, se apresente, descubra o nome da pessoa afetada, e pergunte se ele ou ela precisa de alguma ajuda ou apoio específicos. Permaneça calmo, e faça o que puder para criar um ambiente seguro; você pode até levar a pessoa para um local mais calmo ou mais seguro. Tente avaliar e suprir as necessidades imediatas de comida, água, vestimentas e abrigo. Não hesite em buscar ajuda adicional ou apoio se você estiver preocupado com a segurança ou o bem estar de alguém.

Após suprir as necessidades básicas imediatas, o passo mais importante para ajudar alguém é manter o contato humano. Estabelecer uma conecção pode ajudar a acalmar a pessoa e orienta-la para suas necessidades. Também pode relaxar a pessoa o suficiente para ajudar você a conecta-la com sua rede existente de apoio como amigos, família e pessoas queridas.

As pessoas vão falar quando estiverem prontas e é improvável que se abram se forem pressionadas a fazê-lo. Os primeiros socorros em saúde mental não são equivalentes a aconselhamento ou tratamento. Seu objetivo é oferecer apoio para ajudar as pessoas a conduzir suas reações mais do que ajuda-las a entender ou processar eventos traumáticos.

Embora seja tentador tentar melhorar a situação para as pessoas afetadas, fazer promessas que você não pode cumprir ou dar informações sobre as quais você não tem certeza pode ter consequências prejudiciais. Quando não tiver certeza, a melhor atitude normalmente é não dizer nada e simplesmente ouvir. Isso não significa ficar quieto e indiferente. Você pode fazer perguntas e buscar esclarecimentos como parte de uma escuta ativa. Você também pode fazer comentários de apoio, mas neutros, como "isso deve ter sido difícil". Se for perguntado sobre o incidente ou sobre a situação atual, seja o mais sincero possível, mas admita quando você não tiver informações. Como a negação é normal e adaptativa para algumas pessoas, tente não oferecer nenhuma informação que elas não queiram ouvir.

É mais importante ser sincero em seus cuidados do que dizer todas as "coisas certas". Oferecer apoio pode envolver pequenos gestos como passar tempo com alguém e conversar sobre coisas banais. Se você estiver inseguro sobre o que fazer, pergunte o que você pode fazer para ajudar. Quando alguém que passou por um evento traumático quiser conversar sobre a experiência, tente não interromper com seus próprios pensamentos, sentimentos ou lembranças. Esteja ciente de que a pessoa pode precisar falar repetitivamente sobre o trauma, então esteja preparado para escutar a mesma história várias vezes.

Você também pode oferecer informações sobre reações normais a um trauma e técnicas comuns de como lidar com elas. Esse tipo de informação pode ajudar a normalizar a reação da pessoa e dar esperança de que ela vai se sentir melhor no futuro.

Ao tentar ajudar pessoas afetadas por um evento traumático, considere estes pontos importantes:
  1. Supra as necessidades físicas imediatas primeiro.
  2. Estabeleça uma conecção e contato com a pessoa para assegurá-la de que ela está bem.
  3. Crie ou leve os indivíduos afetados para ambientes seguros e confortáveis.
  4. Ajude a normalizar a experiência deles compartilhando informação sobre como lidar com eventos traumáticos.

Lembre-se, a ajuda mais importante que você pode dar a alguém que recentemente sofreu ou testemunhou um evento traumático é estar presente.
Obtendo Ajuda Profissional
Embora seja normalmente difícil determinar se alguém ira precisar de ajuda profissional após um evento traumático, esteja atento a estes sinais:

  • indiferença ao ambiente
  • perturbações importantes (que duram mais de duas semanas) do comportamento e hábitos normais
  • incapacidade de gerenciar as obrigações do trabalho ou da escola
  • incapacidade de tomar conta de si ou da família
  • aumento ou uso regular de álcool ou drogas
  • pensamentos suicidas

Se a pessoa estiver claramente incapaz de funcionar ou está pensando em suicídio, procure ajuda imediatamente ou ligue para 192. Em qualquer caso, não hesite em perguntar a pessoa como ela está se sentindo e seja claro sobre sua preocupação sincera.
Conclusões
Considerando-se a miríade de formas nas quais os eventos traumáticos podem nos afetar diretamente ou nos pegar à distância, é importante que nós reconheçamos como os traumas nos afetam tanto psicológica quanto emocionalmente. A recuperação emocional implica em uma diminuição da angustia da pessoa e em um aumento de sua própria percepção de sua capacidade de lidar com a experiência. Embora as pessoas se recuperem de suas próprias maneiras e em seus próprios ritmos, os primeiros socorros em saúde mental ajudam a garantir que as necessidades básicas da pessoa afetada sejam supridas e que o contato humano seja mantido durante um estágio crítico da resposta ao trauma. Se sentir conectado e tranquilizado de que a reação ao trauma é normal pode ajudar na proteção e recuperação de um estilo de vida fisicamente e emocionalmente saudável.
Para Mais Informações
Para encontrar ajuda imediata nos EUA:
www.suicidepreventionlifeline.org

No Canada:
www.cmha.ca/mental-health/find-help

Recursos Online
www.mentalhealth.gov
www.samhsa.gov/trauma
www.acpmh.unimelb.edu.au/site_resources/factsheets/Helping_others.pdf
www.mentalhealthfirstaid.ca/EN/resources/Documents/MHFA_adulttrauma_guidelines.pdf
www.cdms.uci.edu/disaster_mental_health.asp
store.samhsa.gov/product/Dealing-with-the-Effects-of-Trauma-A-Self-Help-Guide/SMA-3717
Gerenciamento de Estresse de Incidente Crítico
O gerenciamento de estresse de incidente critico (critical incident stress management — CISM, na sigla em inglês) foi originalmente desenvolvido para ajudar socorristas e militares a continuarem a realizar suas atividades apesar da exposição regular a eventos traumáticos. O CISM é uma abordagem ampla, abrangente e multifacetada de intervenção em situação de crise que atua desde a pré até a pós-crise. Os principais elementos do CISM incluem preparação e educação, apoio no local, defusing, debriefing sobre o estresse do incidente critico (CISD, na sigla em inglês), intervenção individual, sessões com a família e/ou organizações, acompanhamentos e indicação a outros profissionais para avaliação ou tratamento. Não é esperado que nenhuma dessas intervenções funcione isoladamente.

O modelo CISM não foca apenas nas vítimas primarias de eventos traumáticos; as intervenções são desenvolvidas para membros de organizações e comunidades afetadas por um evento traumático. Embora seu foco seja em ajudar membros de organizações e comunidades que vivenciaram eventos traumáticos, o CISM não é uma forma de terapia e também não é um substituto para a psicoterapia. O CISM exige um treinamento especializado e é aplicado por profissionais da área da saúde mental.

Uma das tarefas principais da equipe do CISM é indicar aqueles que precisam de terapia, aconselhamento ou outros recursos para os profissionais apropriados. Trabalhar com comunidades em situações de mortes em massa ou desastres, assim como acompanhamento pós crise com a organização afetada, também é parte do modelo CISM. Para mais informações, visite a International Critical Incident Stress Foundation no endereço www.icisf.org.


© Alert Diver — 3º Trimestre 2014

Language: EnglishSpanish