Perfil do Associado DAN: Margo Peyton



Cidade natal: Provincetown, Massachusetts.
Tempo de mergulho: Cerca de 25 — Eu já registrei mais de 5,000 mergulhos!
Destino de mergulho favorito: Qualquer lugar onde eu possa ensinar crianças a mergulhar com segurança
Por que sou um associado à DAN: Eu respeito a DAN pelo comprometimento da organização com a educação, o mergulho seguro e a viagem de mergulho segura, o que também reflete os valores fundamentais da nossa companhia.


Margo Peyton participa de uma celebração fidjiana durante o Kids Sea Camp em 2009.

Em uma época na qual a maioria das pessoas passa a maior parte do seu tempo livre em realidades virtuais, Margo Peyton criou uma maneira de aproximar famílias em aventuras subaquáticas em tempo real. Ela começou com um conceito simples: As famílias que querem mergulhar juntas devem ter um local seguro, porém divertido, para vivenciar o mundo marinho. Desde 2001 o Kids Sea Camp, criado por ela, emitiu mais de 5.000 certificações de mergulho, mas talvez as suas próprias medidas de sucesso sejam ainda mais reveladoras: mais de três quartos de todos os participantes do Kids Sea Camp retornam ao programa, e o programa possui um histórico perfeito de segurança.

AD: Você começou o Kids Sea Camp porque teve o palpite de que outras pessoas sentiriam o que você sentia: Você não queria viajar sem seus filhos, e você queria que eles aprendessem a mergulhar em um ambiente voltado para crianças.

Peyton: Eu não diria que foi um palpite; foi mais como um dilema. Eu era uma mãe solteira trabalhando no ramo do mergulho-viagem. Eu voava frequentemente para o Caribe e outros destinos de mergulho e tinha que deixar meus filhos para trás, o que eu não queria. Meu pai era um pescador; quando eu era bem pequena ele me colocava em poças de maré e me observava brincar. Eu queria observar meus próprios filhos aprendendo sobre o oceano; eu queria trazê-los para o caribe e ensina-los a mergulhar em ambientes seguros, apropriados para crianças.


AD: Em um determinado momento você percebeu que não era a única que queria que existisse um lugar para famílias e crianças mergulharem juntas.

Peyton: Carolyn Pascal, que tem uma longa história no ramo de viagens e publicações de mergulho, faz parte do Kids Sea Camp desde o início. Nós desenvolvemos a ideia juntas depois de levarmos nossos filhos para o aquário de Curaçao, onde eles vivenciaram o recife a partir de tanques internos. Queríamos que eles tivessem uma experiência real. O primeiro Kids Sea Camp aconteceu em Curaçao em 2001, e o momento influenciou enormemente o nosso desenvolvimento.


AD: De que maneira?

Peyton: Após o 11 de setembro as famílias se tornaram mais unidas, e a segurança se tornou uma questão muito importante. As pessoas viram que éramos mães e que levávamos nossos próprios filhos para lugares onde nos sentíamos seguras. Elas perceberam que os programas do Kids Sea Camp eram seguros porque contratávamos operadoras e instrutores que tinham afinidade com as crianças. Não são muitas as operadoras que podem justificar a responsabilidade legal maior que ensinar crianças a mergulhar acarreta. Nós encontramos as que são capacitados e estão dispostas a tomar as medidas adicionais necessárias para oferecer um ambiente de aprendizado confortável para as famílias. Por exemplo, nós promovemos o programa "DAN é Meu Dupla", e a maioria das operadoras com quem trabalhamos inscrevem as crianças nesse programa.


Margo e Jennifer Peyton hasteiam a bandeira do Kids Sea Camp durante um mergulho de praia próximo ao Buddy Dive Resort em Bonaire em 2012.


AD: Existem programas no Kids Sea Camp para famílias com diferentes níveis de experiência?

Peyton: Com certeza. Eu acredito que uma das razões pelas quais somos tão bem sucedidos é que oferecemos um leque de atividades e apresentações educacionais, incluindo cursos de naturalista subaquático, fotografia e vídeo, assim como mergulho em naufrágio. As famílias parecem amar aprender e desenvolver suas habilidades de mergulho juntas. Nós acabamos de certificar um de nossos primeiros alunos de Supplied Air Snorkeling for Youth (SASY — um programa da PADI para crianças de 5-7 anos) como instrutor assistente. As crianças normalmente evoluem através dos níveis de treinamento com o mesmo grupo, e elas mantém contato umas com as outras ao longo do ano. É ótimo ver as crianças crescerem e as famílias se reunirem em diferentes Sea Camps. Nós também começamos a Family Dive Adventure, onde promovemos resorts adequados para crianças; e meu marido, Tom Peyton, e eu criamos o Ocean Wishes como um programa altruísta para crianças menos favorecidas.


AD: A maioria dos cursos de instrutor se concentra em ensinar adultos. Quais são alguns dos desafios de se ensinar crianças a mergulhar?

Peyton: Eu amo ensinar crianças! Elas têm uma facilidade natural na água e nunca, nunca, são entediantes. Elas aprendem o conceito de flutuabilidade neutra muito mais rapidamente do que adultos. Elas possuem excelentes mentes abertas e prontas para aprender. Eu me divirto observando as crianças corrigirem seus pais, ouvindo elas dizerem coisas como, "Pare de usar suas mãos. Sem pedalar…"


Crianças mergulham em águas calmas próximo ao Laguna Beach Resort, em Utila, durante a semana do Kids Sea Camp em 2014.


AD: O que mais faz com que o Kids Sea Camp seja uma ótima experiência de aprendizado para famílias?

Peyton: As atividades educacionais são uma grande parte de nosso programa. Em nossos seminários nós abordamos todo o leque de assuntos desde plásticos nos oceanos até a pesca de tubarões por causa de suas barbatanas. Alguns anos atrás eu introduzi programas de fotografia no Kids Sea Camp. Os participantes amam documentar seus mergulhos, e as crianças que estão interessadas em fotografia demonstram muito mais interesse no recife. E também eu acredito que nosso programa de fotografia obriga as crianças a trabalharem no controle de flutuabilidade. Depois de aprender o quão frágil é um recife de coral, ninguém quer danificá-lo.


AD: Então as famílias se unem tanto durante treinamentos de mergulho quanto em programas educacionais?

Peyton: Com certeza. Eu sinto que as famílias que participaram do Sea Camp dividem um elemento comum, que inclui o amor pelo mergulho e um sentimento de admiração e respeito pelos oceanos. Eu acredito que meu trabalho, minha obrigação para com o grande público que eu tenho todo ano, é educá-lo sobre o efeito que os humanos têm sobre o planeta, especialmente sobre os oceanos. Nós tivemos uma experiência em Galápagos alguns meses atrás que realmente impressionou todo mundo. Bem longe naquelas ilhas remotas, nós limpamos uma quantidade significativa de plástico das praias. Um filhote de leão marinho até me presenteou com um saco de plástico de pão! Crianças e adultos ficaram totalmente surpresos de ver plástico sujando aquelas ilhas desabitadas. Ouvir sobre isso na televisão não é o suficiente. Mostrar a eles em tempo real até onde os impactos da civilização chegam é um dos meus objetivos e minha obrigação.


© Alert Diver — 4º Trimestre 2014

Language: EnglishSpanish