Perfil do Associado DAN: John Thompson



Anos de Mergulho: 26
Cidade Natal: Rincon, Porto Rico
Destino de Mergulho Favorito: Ilha Mona, Porto Rico
Por que sou associado à DAN: "A DAN tem apoiado muito o SUDS ao longo dos anos, e é bom saber que ela está junto de você em uma emergência. "

"Você não pode entrar no Walter Reed Army Medical Center [atualmente Walter Reed National Military Medical Center], ver nossos jovens feridos de volta das guerras do Afeganistão e Iraque e não se envolver," recorda-se o paraquedista da Guarda Nacional do Exército dos Estados Unidos John Thompson sobre sua primeira visita àquele hospital em 2005. "Foi realmente um choque de realidade."


John Thompson com o mergulhador do SUDS Dan Hendrix em Kona
Thompson trabalha há 14 anos como instrutor da Outward Bound School do Colorado e há 10 anos como instrutor de mergulho. Suas habilidades o levaram a uma posição de voluntário da Cruz Vermelha no departamento de terapia aquática em Walter Reed, onde ele desenvolveu uma ideia. "Há uma piscina aqui, e eu sou instrutor de mergulho," ele pensou, "então vamos tentar usar o mergulho autônomo no processo de reabilitação na terapia aquática." Ele criou o Soldiers Undertaking Disbled Scuba (SUDS) em fevereiro de 2007.

O SUDS não é apenas um programa pule-na-água. Cada veterano completa seu trabalho acadêmico e habilidades na piscina no hospital, sob o cuidado e orientação de vários instrutores voluntários do SUDS que têm treinamento no Scubility Diver Program da Scuba Diving International (SDI). Em seguida o SUDS organiza viagens de mergulho para que os mergulhadores possam completar seu treinamento em águas abertas em destinos como Porto Rico, Hawaii, Baía de Guantanamo e outros. Eles terminam o programa como mergulhadores certificados capazes de mergulhar em praticamente qualquer lugar.

"O SUDS paga todas as despesas dos veteranos, desde passagens aéreas a alimentação e hospedagem, " Thompson explica. "Não há custos para o participante. " O SUDS, uma divisão subordinada ao Disabled Sports USA, é uma organização sem fins lucrativos com base em Walter Reed em Bethesda, Maryland. Tem apenas um funcionário remunerado e depende somente de doações feitas pelo público em geral. Restaurantes locais, residentes e operadores de mergulho oferecem auxilio durante as viagens.


Para alguns veteranos essas viagens são suas primeiras incursões longe de suas cidades natais que não envolvem destacamento, combate ou um hospital. O sargento da Marinha Greg Edwards, um duplo amputado, reflete enquanto ele observa as limpas e azuis aguas das ilhas Virgens: "Eu nunca estive em lugar nenhum além do Mississipi e Iraque; isso é incrível! "


O mergulhador do SUDS Marco Robledo e o fotógrafo Tim Cothren mergulham na Baia de Guantanamo.


O SUDS também tem um número crescente de veteranos que se apaixonaram pelo esporte e estão trabalhando para avançar em suas certificações. "Muitas organizações de veteranos apenas doam coisas; o que eu amo no SUDS é que ele se trata de melhorar a você mesmo, " disse Redmond Ramos, um oficial médico da Marinha Americana. "John é inflexível sobre obtermos outra certificação e avançarmos nossas habilidades – se trata de nos tornarmos mergulhadores melhores. "

A terapia ainda está no centro da organização. "A maioria dos veteranos com quem trabalhamos são amputados, " disse Thompson, "mas nós vemos todo tipo de lesões, desde queimaduras graves até traumatismo craniano, TEPT e paralisia. A água é um grande equalizador. " Os voluntários frequentemente ouvem os veteranos dizerem coisas como "A dor desaparece quando eu estou sem peso, " e "embaixo da água eu encontro uma paz de espírito que não consigo encontrar em terra. "

Um inusitado concerto de desencaixes e cliques ocorre antes de cada mergulho, conforme próteses de pernas são removidas e substituídas por aparelhos especializados que apresentam tornozelos mecânicos que podem ser articulados e movidos para baixo da mesma maneira que um pé seria durante a natação. Alguns mergulhadores preferem ir sem a prótese natatória. Greg Edwards utiliza luvas palmadas para se puxar através da água. "Só porque você tem pernas e eu não, não significa que você é melhor do que eu," disse Edwards. "Eu posso fazer tudo que você faz embaixo da água".

Um dos destinos de mergulho mais inusitados do grupo é a Estação Naval da Baia de Guantanamo (GTMO). Thompson foi destacado para lá em 2003 e desenvolveu uma relação com a Ocean Enterprise, a loja de mergulho local da base. Os soldados se encontram em uma pequena empresa de fretamento aéreo em Fort Lauderdale, na Flórida, e embarcam em um voo para GTMO. A viagem dura cerca de três horas porque o pequeno avião tem que contornar a ilha pelo extremo leste para evitar o espaço aéreo cubano. A loja de mergulho e o Reef Raiders dive club levantam fundos para proporcionar acomodação para os veteranos. Os mergulhos do check out são feitos ali mesmo na baia, mas a grande recompensa é mergulhar a partir de praias isoladas que estão fora do alcance até mesmo de indivíduos aquartelados ali. Como qualquer tráfego de barco de fora foi proibido ali desde 1898, os recifes estão imaculados. Você não encontra nenhum snorkel perdido no fundo ali.


Mergulhadores do SUDS em Kona


Uma equipe da série da HBO Real Sports with Bryant Gumbel se uniu ao grupo do SUDS em Guantanamo e filmou soldados aproveitando a experiência para um segmento chamado "Underwater Heroes" ("Heróis Subaquáticos"), que foi ao ar em 2009. Alguns veteranos usaram veículos de propulsão subaquáticos para passear pelos recifes virgens. Peixes de isopor foram colocados a meia água para criar alvos para caça subaquática. Virtualmente intocados por humanos, os recifes estavam cheios de vida, incluindo alguns peixes leão muito grandes que invadiram as águas.

Conforme as guerras têm abrandado, o número de soldados feridos voltando do campo de batalha diminuiu. O SUDS reorientou seus esforços no sentido da educação continuada embora ainda vise os militares feridos, doentes ou lesionados. Até hoje a organização ensinou mais de 400 soldados feridos a mergulhar.

Thompson é um homem de poucas palavras, mas ele tem orgulho e muita paixão pelo mergulho e em ajudar nossos militares feridos. "Eu frequentemente digo que tenho o melhor trabalho do mundo", ele diz. "Eu sou abençoado – eu acho que ganho mais com isso do que os soldados. Eu tenho muita ajuda, e obtenho uma tremenda satisfação em contribuir para a recuperação de nossos veteranos".

"Um garoto da cidade como eu nunca tentaria nada parecido se não fosse pelo John e o SUDS," disse o sargento do exército americano Javier Torres, um nova iorquino que levou um tiro no Afeganistão. "Agora eu quero conquistar novas certificações e me tornar um instrutor para ajudar outros veteranos feridos – assim como o John faz."
Explore Mais
Assista ao video de Tim Cothren sobre o Soldiers Undertaking Disabled Scuba (SUDS).



© Alert Diver — 1º Trimestre 2016

Language: EnglishSpanish