Continuando uma Tradição de Gestão Oceânica

Uma entrevista com o presidente de Palau Tommy Remengesau Jr.


As famosas Rock Islands de Palau dão uma ideia da interconectividade entre a terra e o mar.

Depois de ajudar a estabelecer o primeiro santuário de tubarões do mundo nas águas de sua nação em 2009, o presidente Tommy Remengesau Jr., da República de Palau, assinou uma lei no ano passado que separou 80% do oceano da sua pequena ilha nação do Pacífico ocidental como um santuário marinho totalmente protegido. A sexta maior reserva do mundo, o santuário de Palau cobre uma área maior do que a Califórnia e tem a maior porcentagem de águas protegidas da pesca de qualquer nação.

"Criar este santuário é uma atitude corajosa que o povo de Palau reconhece como essencial para a nossa sobrevivência", explicou Remengesau. Para proteger essa vasta área, assinou igualmente um tratado internacional contra a pesca ilegal, não declarada e não regulamentada (IUU). - Palau não tolerará pescadores ilegais no nosso oceano - advertiu. Sua administração seguiu essa advertência confiscando e queimando navios do Vietnam e das Filipinas encontrados pescando ilegalmente em águas de Palau.

Em maio de 2016 Remengesau foi agraciado com o Peter Benchley Ocean Award pela Excelência em Gestão Nacional. Em junho, David Helvarg visitou Palau e entrevistou Remengesau para Alert Diver.


Alert Diver: O que levou Palau a se tornar um líder mundial em conservação dos oceanos?
Tommy Remengesau Jr.: A conservação dos oceanos é muito parte de nossa tradição e meio de vida, e sabemos que para sustentar nossa futura existência como um povo insular devemos equilibrar a natureza e o desenvolvimento


AD: O que em sua própria vida o trouxe à ideia de gestão do oceano?
TR: Como um jovem palauano você é ensinado desde cedo a não pegar mais do que você precisa para hoje, a pensar sobre seus filhos e os filhos deles e para viver em harmonia com a natureza. Essa é uma parte integrante de crescer em Palau, por isso é natural para mim liderar reunindo as pessoas para fazer o que fomos ensinados desde tenra idade.


AD: O que é bul?
TR: Bul é parte de nossas práticas tradicionais. Literalmente traduz-se como proibição - significa conservação e pensamento sobre o futuro. Quando o chefe e os pescadores de uma aldeia notam que a população de peixes de uma determinada área do recife diminuiu, o chefe irá instituir um bul, dizendo aos aldeões locais para pararem de pescar nesse local específico. As pessoas obedecem a um bul porque toda a comunidade o fiscaliza. Percebemos, ao longo das gerações, que as populações de peixes nessas áreas proibidas acabam por se recuperar, de modo que os líderes revogam o bul e permitem a pesca novamente

Então, agora temos um bul para o oceano. Quando você fala sobre um santuário marinho de 80 por cento, não é apenas para aqueles 80 por cento; isso irá repovoar e reenergizar os 20% que estamos abrindo para a pesca doméstica e outras atividades. Nós provamos que os benefícios de um bul se estendem para além da área protegida. Com 80 por cento de nossas águas protegidas, o efeito de spillover não é pequeno. Isto beneficiará não apenas nós, mas também as Filipinas, a Indonésia e os EFM (Estados Federados da Micronésia). Essa é a nossa contribuição para o Pacífico e para o mundo.


Remengesau se reúne com o Secretário de Estado dos EUA John Kerry durante a conferência Our Ocean no Departamento de Estado em Washington, D.C., em junho de 2014.


AD: Você muitas vezes disse que seu meio ambiente é sua economia. Você poderia explicar melhor?
TR: Nós acreditamos que você não pode separar os dois. Nossa economia é baseada no turismo - pessoas que vêm para vivenciar nossos recursos naturais. Nosso sustento como palauanos, portanto, é baseado em como proteger os nossos recursos para os nossos visitantes e para nós mesmos em termos de nossa segurança alimentar. Temos uma longa história de dependência do fornecimento de peixes do oceano.


AD: Os pescadores dizem frequentemente que os tubarões estão comendo seus peixes ou que os tubarões devem ser pescados por causa de suas barbatanas, mas em 2009 você criou o primeiro santuário nacional de tubarões do mundo.
TR: Nós acreditamos que todos os seres vivos nesta terra estão aqui por uma razão - os tubarões são uma parte do ecossistema do recife. Além disso, fizemos pesquisas e descobrimos que um tubarão vivo vale US $ 1,9 milhão ao longo de sua vida de 60 a 70 anos. As barbatanas de um tubarão morto, em contraste, valem cerca de US $ 45 por quilo apenas uma vez. Tem sido uma boa parceria com os tubarões, por assim dizer.


AD: Quando você assinou a lei do Palau National Marine Sanctuary Act, que impactos você esperava?
TR: Oitenta por cento é o ápice do Desafio da Micronésia que iniciamos há 10 anos. Esta iniciativa destinou 20% do nosso recife e 30% das nossas áreas terrestres como áreas protegidas. Com 20% dissemos: "Por que não ir até 80%?" - e é aí que estamos agora. Mais uma vez, os benefícios de uma área marinha protegida não se limitam a essa área: É muito eficaz no repovoamento de outras áreas. Imagine os benefícios se cada país tivesse uma área protegida marinha considerável.


AD: Outro grande desafio que você enfrenta é a mudança climática.
TR: Está acontecendo! O aumento do nível do mar é um desafio com o qual já estamos lidando. Temos terras agrícolas que foram inundadas por água salgada e comunidades de atóis baixos ameaçadas pelo mar. O aquecimento global está contribuindo para tempestades imprevisíveis, tufões severos e muito mais. Estamos vendo tudo isso aqui, e a única maneira de lidar com isso é que a comunidade mundial comece a parar de contribuir para o problema. Aqui em Palau nós temos algumas áreas elevadas, mas as Ilhas Marshall, por exemplo, são todas atóis de areia, e as pessoas lá não têm áreas mais altas para onde ir.



O presidente Remengesau caminha na praia em frente ao Palau Pacific Resort.
AD: Eu soube que você é um pescador. Quais são suas outras atividades favoritas no oceano?
TR: Qualquer coisa que tenha a ver com o oceano é uma atividade favorita dos palauanos. Você sabia que o solteiro mais cobiçado em Palau é o bom pescador? Se você é um bom pescador, provavelmente encontrará uma esposa.

Como um menino da ilha, praticando mergulho livre e pesca, eu achava que sabia tudo sobre o oceano. Mas quando você começa a praticar o mergulho autônomo, você realmente começa a entender o mundo sob as ondas e como os organismos dependem uns dos outros para sobreviver. Eu aconselho fortemente que as pessoas aprendam a mergulhar. Quando você realmente passar algum tempo lá em baixo, você pode desfrutar da beleza subaquática e aprender como tudo está conectado.

Além disso, você sabia que ninguém foi morto por um tubarão em Palau? Em toda a nossa história isso nunca aconteceu. É um fato do qual temos orgulho. Crocodilos - sim, houve alguns incidentes infelizes com crocodilos, mas com tubarões nunca.

© Alert Diver — 3º Trimestre 2016

Language: EnglishSpanish