Mergulho Seguro em Água Doce




DAN recomenda que os mergulhadores estejam familiarizados com seus equipamentos, prestem atenção ao seu suprimento de gás e evitem subidas sem nenhuma referência visual.


Estávamos nos equipando em um dia ensolarado de primavera em nossa pedreira de mergulho local. Eu não tinha mergulhado em alguns meses, e eu me lembrei do Annual Diving Report (Relátorio Anual de Mergulho) da DAN do ano passado, no qual havíamos escrito uma seção sobre fatalidades de mergulho em pedreiras, lagos e parques de mergulho. Existem mais de 150 desses locais – também conhecidos como parques de mergulho autônomo – nos EUA e Canadá, a maioria deles perto de grandes centros populacionais.

Em nossa revisão olhamos para os últimos 10 anos e encontramos 47 mortes em parques de mergulho (definidos como qualquer local com água doce que deliberadamente coloquem atrações para atrair mergulhadores) e 63 mortes de mergulho em outros pontos de mergulho de água doce como rios e lagos. (Nós excluímos cavernas porque o mergulho em cavernas é altamente especializado). Nós comparamos esses dois grupos para identificar problemas de segurança sobre os quais podemos alertar a comunidade de mergulho.

Embora não soubéssemos onde todos os mergulhadores obtiveram seu equipamento, sabíamos dessa informação em 47 casos. Desses, 36 por cento estavam usando equipamento alugado ou emprestado. O percentual foi o mesmo para as fatalidades de mergulho em água doce tanto dentro quanto fora dos parques de mergulho, mas é uma taxa muito mais alta do que para as mortes de mergulho no mar, onde descobrimos que apenas 26 por cento dos mergulhadores que morreram estavam usando equipamento desconhecido.



As fatalidades em parques de mergulho apresentaram um pico em maio, mais cedo do que as em outros pontos de água doce ou no mar. Eu me pergunto se esse momento pode ser o resultado de muitos mergulhadores voltando a mergulhar depois do inverno em um dia em sua pedreira local. A profundidade máxima na qual os mergulhadores morreram foi significativamente maior nos parques de mergulho (23 metros em comparação com 12 metros fora dos parques), e o mergulho técnico foi mais comum em parques de mergulho do que em outros locais de água doe (17 por cento versus 6 por cento), provavelmente devido ao maior acesso a maiores profundidades. O treinamento era o propósito do mergulho em 28 das 110 mortes em água doce (25 por cento).

As três principais causas de morte foram afogamento, problemas cardíacos e embolia arterial gasosa (EAG), assim como é comumente encontrado no mar. Uma coisa que se destacou, entretanto, foi que todos os cinco eventos de EAG ocorreram em parques de mergulho.

Era importante para os pesquisadores da DAN descobrir como utilizar esses dados para ajudar a comunidade de mergulho, então o nosso próximo passo era olhar para o nosso banco de dados de relatórios fornecidos pelos mergulhadores para nos ajudar a entender melhor as causas das lesões e acidentes. Esse relatório sobre um incidente em um parque de mergulho contém alguns elementos comuns:




Eu acompanhava uma turma de alunos em um mergulho em uma pedreira. Visitamos um helicóptero em águas mais profundas do que 18 metros. Uma vez que a classe havia realizado os exercícios, meu dupla guiou o percurso entre o helicóptero e um barco submerso. O instrutor e os alunos seguiram à distância. Quando chegamos ao barco, que estava a 14 metros de profundidade, nós paramos e retornamos.
Sem que soubéssemos, a cerca de 10 metros de distância um mergulhador da turma começou a sentir dificuldade para respirar de seu regulador, e ele rapidamente ficou com pouco ar. Ele olhou para seu manômetro e viu que a pressão baixava para zero a cada respiração difícil. Eu não vi pois ele estava descendo na diagonal e eu estava olhando em outra direção. Meu dupla entregou ao mergulhador uma fonte de ar alternativa duas vezes, e ele soltou-a. Ele parecia em pânico.
Felizmente, manter a calma salvou o dia nesse caso, e ambos os mergulhadores voltaram à superfície ilesos. No entanto, esse incidente deve lembrar-nos a todos de regularmente verificar nosso suprimento de gás, especialmente quando nós mergulhamos mais fundo do que o habitual. Esse incidente também inclui elementos comuns de incidentes, como um mergulhador em treinamento, mergulhando mais fundo do que o habitual e estando em risco de subir em pânico, que é um fator bem estabelecido em muitas das mortes por EAG.
Resumo
Em média, 11 mergulhadores morrem a cada ano em água doce nos EUA e Canadá. Quase metade dessas mortes ocorrem em parques de mergulho, que são normalmente mais profundos do que outros locais de mergulho em água doce. O mergulho técnico foi mais comum em mortes em parques de mergulho do que em mortes fora dos parques de mergulho.

O


treinamento era o propósito do mergulho em 25 por cento das fatalidades. Equipamento não familiar é um perigo para todos os mergulhadores; pode ser mais comum em locais de água doce onde o treinamento é popular. A DAN recomenda que os mergulhadores gastem alguns minutos antes de mergulhar para se familiarizar com qualquer equipamento novo, emprestado ou alugado. Verifique-o cuidadosamente antes de entrar na água, e quando possível teste-o em águas rasas o suficiente para ficar de pé antes de ir mais fundo. Em particular, familiarize-se com os sistemas de controle de flutuabilidade e de remoção de lastro, que variam entre os fabricantes.

Dado que os problemas de flutuabilidade e subidas rápidas estão ligados ao risco de EAG, a DAN recomenda que os mergulhadores tentem evitar subidas em águas sem referência quando possível. Em parques de mergulho isso pode significar seguir uma antiga estrada de pedreira para começar e terminar o mergulho ou usar um cabo de subida e uma boia como referência. Se você precisa subir em águas sem referência, considere soltar um sinalizador de superfície conectado a uma carretilha, travar a carretilha e utilizar o cabo como referência.

Com base nos tipos de incidentes mais frequentemente submetidos ao sistema de relatórios online da DAN, os mergulhadores devem lembrar-se de verificar regularmente o seu gás restante. Lembre-se das três principais dicas da DAN para um mergulho seguro em água doce: Mergulhe com um equipamento conhecido, evite subidas sem referência, e mantenha os olhos em seu manômetro.

© Alert Diver — 1º Trimestre 2016

Language: EnglishSpanish