Lago Michigan

Naufrágios da região de Milwaukee


A EMBA, uma balsa escuna de madeira de três mastros que afundou em 1932, está em posição de navegação
a 52 metros de profundidade.


Meu primeiro mergulho nos Grandes Lagos foi há 20 anos. Eu me lembro claramente da descida em águas verde escuro.

Logo após aquele mergulho eu me mudei para a Florida com minha família e me esqueci completamente dos Grandes Lagos, pois eu tinha águas quentes e recifes tropicais em meu quintal. Adiantemos a fita para cinco anos atrás e a minha experiência seguinte nos Grandes Lagos: eu fiquei impressionada com o estado imaculado dos naufrágios que eu vi no Lago Superior. Isso acendeu em mim uma nova paixão pelo mergulho nos Grandes Lagos. Não muito tempo após isso eu tive a sorte de trabalhar em um documentário no Lago Huron, onde nós localizamos e exploramos vários novos naufrágios. Eu fiquei surpresa com o azul e a limpidez da água.

A lamentável introdução do mexilhão invasor quagga melhorou dramaticamente a claridade da água em muitos dos lagos. Eles agora cobrem os naufrágios em quatro dos cinco Grandes Lagos, mas a visibilidade pode ser de 30 metros ou mais. A água parece azul do Caribe na maioria dos dias, e os lagos não são mais tão escuros e turvos como já foram.

Os Grandes Lagos rapidamente se tornaram meu destino de mergulho pessoal favorito; há vários naufrágios dentro dos limites do mergulho recreativo e além. Eu viajei para muitos dos melhores destinos de mergulho em naufrágio do mundo, e acredito que os Grandes Lagos estejam entre eles. Os naufrágios aqui estão congelados no tempo, preservados pela água doce e fria. Muitos dos barcos à vapor e escunas de madeira permaneceram intactos por mais de um século, eles não existiriam mais se estivessem em água salgada. Mergulhar nos lagos é como entrar em uma cápsula do tempo: aqui você pode ler os nomes dos navios, ver cargas como automóveis dos anos 1920, encontrar escunas intactas com cordames intactos e muito mais.

Eu fiz uma meia dúzia de viagens para vários locais nos lagos, mais recentemente Milwaukee, Wisconsin. Milwaukee é muito mais do que cerveja e queijo: é o país das maravilhas do mergulho em naufrágios para aqueles aventureiros o suficiente para mergulhar. Os mergulhos variam entre apenas 3 metros até 100 metros de profundidade.





S.S. Milwaukee
Nosso primeiro destino foi o S.S. Milwaukee, uma balsa de transporte de vagões de trem que costumava fazer a travessia regular do lago para a empresa Grand Trunk Railroad. O navio afundou em uma tempestade a 22 de outubro de 1929, matando sua tripulação de aproximadamente 50 pessoas. Ele estava carregando 27 vagões carregados com madeira laminada, vegetais, queijo, manteiga, acessórios de banheiro, milho, ração, sementes, malte e automóveis. Após 1920 todas as balsas de transporte de vagões de trem eram equipadas com um painel de popa em concha chamado de sea gate para impedir que as ondas subissem no navio em mares agitados. O sea gate do Milwaukee foi dobrado para dentro pelas enormes ondas da ventania que afundou o navio. A água entrou pela popa e inundou os compartimentos inferiores. Vagões se soltaram e atravessaram a lateral do casco. O sea gate ficou desequilibrado a estibordo quando um eixo de vagão o atravessou enquanto o navio estava naufragando. O navio Milwaukee, de casco de aço com 338 pés, afundou a apenas sete milhas a nordeste de Milwaukee, a três milhas da costa em 40 metros de profundidade.


Dave Sutton observa o eixo de um dos vagões que aparece através dos destroços do Milwaukee.


Conforme você desce no naufrágio, sua proa reforçada, quebra-gelo, aparece, em posição de navegação no fundo. É uma visão incrível. A cerca de 50 metros a bombordo do navio está a casa do leme original, que em 1908 foi convertida em sua casa de navegação. Mesmo após 86 anos no fundo do lago, o nome "Milwaukee" ainda está visível acima das portas da casa de navegação. Mais ao fundo do navio estão vagões cheios de cargas de pias, privadas e banheiras.

O Milwaukee tem dois enormes hélices. As pás do hélice de estibordo estão sobre o eixo que atravessou o sea gate durante a descida do navio até o fundo. O sea gate em forma de U na popa está dobrado e esmagado, um testemunho do violento fim do navio. No convés dos trens, um dos vagões que rompeu o casco pode ser visto. Profundidades variam entre 30 e 40 metros, e a visibilidade pode ser de até 25 metros. É um mergulho de naufrágio fantástico, e aqueles que possuem o treinamento necessário também encontrarão muito o que explorar nas áreas técnicas e acomodações da tripulação.
S.S. Wisconsin
O S.S. Wisconsin afundou em uma tempestade violenta apenas uma semana após o Milwaukee. Um navio a vapor de passageiros e de carga com casco de aço e 215 pés, o Wisconsin era operado pela Goodrich Transportation Co. Ele afundou em uma tempestade a seis milhas a sudeste de Kenosha, no Wisconsin, em 29 de outubro de 1929. Nove membros da tripulação, incluindo o capitão, perderam suas vidas.

O naufrágio está entre 30 e 40 metros de profundidade. Boa parte da superestrutura do navio colapsou para cima do deck ou pode ser encontrada no meio do campo de imensos destroços. Ele estava transportando uma carga mista de artigos domésticos, radiadores, aquecedores, fogões, móveis e outras cargas encaixotados. Vários automóveis, incluindo um Hudson, um Essex, e um Chevrolet estão a poucos metros de uma porta de carga aberta. A popa e a proa são visualmente surpreendentes e oferecem ótimas oportunidades fotográficas. O navio é grande e é difícil nadar em volta dele em um único mergulho, portanto vários mergulhos nesse local são recomendados.
Prins Willem V
O naufrágio seguinte que visitamos foi o cargueiro de aço com 258 pés e de bandeira holandesa chamado Prins Willem V, um dos naufrágios mais visitados na região. O navio se foi em 14 de outubro de 1954, em uma colisão com a balsa da Sinclair Oil Co. Sinclair No. 12, que estava sendo rebocada pelo rebocador Sinclair Chicago. Ele naufragou entre 14 e 28 metros de profundidade a três milhas a leste de Milwaukee. A Guarda Costeira resgatou a tripulação de 30 pessoas, mas o navio afundou com uma carga de TVs, peças de automóveis, peças mecânicas, prensas de impressão, instrumentos e peles de animais. Houve várias tentativas de trazer o Prins Willem V à superfície, mas todas falharam. O naufrágio permanece intacto deitado de lado e tem grandes escotilhas abertas, vários mastros e maquinário para serem observados. Muitos barris que foram abandonados após uma tentativa de salvatagem permanecem dentro do porão.
Grace A. Channon
O naufrágio Grace A. Channon está em profundidades de mergulho técnico. Essa escuna de madeira de três mastros foi construída em 1873 e afundou em uma colisão em 2 de agosto de 1877. Ela estava indo de Chicago, Illinois, para Buffalo, Nova Iorque, com uma carga de carvão quando a balsa a vapor Favorite bateu na sua lateral. A tripulação de seis marinheiros juntamente com três passageiros escapou para o bote e foram resgatados pelo Favorite. Alexander Graham, o filho de sete anos de idade do co-proprietario da escuna, foi a única pessoa que morreu no desastre. O navio agora está de pé entre 55 e 60 metros de profundidade com seus mastros intactos. Ele tem apenas 140 pés de comprimento, portanto é fácil de nadar ao redor dele em apenas um mergulho.


Erik Foreman nada ao lado da escuna Grace A. Channon.


O navio tem um raro casco exterior. Danos causados pela colisão podem ser vistos na forma de um grande corte a bombordo que está bem abaixo da linha d' água original do navio. Muitos entalhes intrincados feitos na madeira da roda de proa e na proa são mantidos livres de mexilhões pelos mergulhadores. A água límpida significa que há uma ampla luminosidade ambiente em profundidade, e a visibilidade pode exceder 30 metros. Essa visibilidade e o incrível grau de preservação dessa escuna de madeira de 143 anos fornecem excelentes oportunidades fotográficas.

Há centenas de naufrágios na região, cada um com sua própria história de como ele acabou congelado no tempo no fundo do Lago Michigan. Esses naufrágios realmente incríveis permitem vislumbres da história Americana e das navegações nos Grandes Lagos. Ainda há navios perdidos, e com avanços no mergulho, na tecnologia de varredura lateral e de veículos operados remotamente, alguns novos naufrágios são encontrados todos os anos. O mergulho no Lago Michigan envolve uma rica história, lindos naufrágios e uma quantidade de pontos suficiente para manter exploradores subaquáticos ocupados por anos.
Como Mergulhar Lá
Como chegar lá
Milwaukee é um aeroporto de fácil acesso, com muitos voos diretos disponíveis. Visitantes que vierem de carro a partir da região de Chicago podem vir pela rodovia I-94 direto para Milwaukee.


Costa de Milwaukee


Condições
De maio a setembro é a melhor época para mergulhar. As temperaturas do ar ficam normalmente entre 10°C e 27°C, com condições variando de neblina intensa até sol brilhante. A temperatura da água varia com a época do ano e a profundidade. A temperatura em junho fica ao redor dos 4°C, mas no final de agosto a temperatura pode chegar aos 10°C ou15°C. Normalmente as correntes nos naufrágios são fracas ou inexistentes, e a maioria tem pelo menos uma poita para subidas e descidas.

Aventuras na Superfície
Há muito o que ver e fazer em Milwaukee. O Denis Sullivan é uma réplica de uma escuna de três mastros similar ao que você veria navegando nessas águas mais de um século atrás. Milwaukee também tem muitos museus, cervejarias, faróis, parques e excelente culinária.

Assista ao Vídeo
Veja o video de Becky Kagan Schott sobre o naufrágio da escuna Grace A. Channon no Lago Michigan.



© Alert Diver — 1º Trimestre 2016

Language: EnglishSpanish