Escondido Bem à Vista




O motor de 18 cilindros de um Douglas A-1 Skyraider projeta-se da areia a 18 metros de profundidade próximo à costa de San Diego.


Enquanto fazíamos um mergulho raso próximo à costa de San Diego em junho de 2014, encontramos os destroços de uma aeronave de ataque dos Estados Unidos da era da Guerra da Coréia. Embora os destroços estejam a apenas 20 metros de profundidade em uma área onde transitam centenas de barcos de mergulho recreativos e comerciais anualmente, eles permaneceram desconhecidos, ou não relatados, por mais de 61 anos.

Nosso primeiro encontro com a aeronave ocorreu enquanto estávamos mapeando o fundo do mar com um sonar próximo a nossa casa em La Jolla, na Califórnia. A descoberta era improvável; a bordo de nosso bote de 13 pés estávamos equipados apenas com um sonar não profissional do tipo side-scanning da Humminbird e muita paciência.

Quando mergulhamos no local pela primeira vez em novembro de 2013, apenas uns pequenos pedaços, do que era então apenas uma massa de metal não identificada, despontavam do fundo arenoso compactado. Por sorte, quando decidimos revisitar o local sete meses mais tarde para procurar por alguns alvos menores que havíamos registrado anteriormente, ficamos surpresos ao ver os contornos de um avião inteiro emergir da escuridão conforme descíamos. As tempestades de inverno haviam aparentemente varrido areia suficiente para transformar a obscura massa de metal nos vestígios de uma aeronave antiga.


A placa de identificação do Bureau of Aeronautics do Skyraider.
Entramos em contato com diversos especialistas em aviação e caçadores de naufrágios para identificar a aeronave. Eles nos ajudaram a usar a placa de registro do Bureau of Aeronautics na fuselagem para identificar positivamente a aeronave como uma A-1 Skyraider.

As informações na placa nos permitiram acessar os registros navais que revelaram que o avião havia sido produzido em 1951, seu histórico de serviço, e sua queda em 19 de maio de 1953. Surpreendentemente, também encontramos uma fotografia da aeronave tirada durante sua missão no porta aviões USS Antietam.

De acordo com o registro de acidente oficial, o piloto abandonou o avião após experimentar problemas com o motor durante um exercício de treinamento. Ele conseguiu pousar o avião inteiro na superfície do oceano; ele saiu da aeronave sem problemas e foi resgatado de helicóptero. Consta que o avião afundou menos de um minuto após pousar. Dias após a queda, a Marinha iniciou uma operação de salvatagem de 12 dias, que no final não foi bem sucedida.


A aeronave a bordo do USS Antietam antes de sua queda.


O A-1 Skyraider, fabricado pela Douglas Aircraft Co., algumas vezes é coloquialmente chamado de "Caminhão de Lixo" devido a sua capacidade de despejar enormes quantidades de munição em um alvo — até mesmo igual ao muito maior bombardeiro B-17. Aeronaves Skyraider serviram intensamente tanto na Guerra da Coréia quanto na Guerra do Vietnã e estavam entre as únicas aeronaves com propulsão à hélice a abaterem os caças com propulsão a jato MiG em combate.

Embora este Skyraider em particular tenha estado submerso por mais de 60 anos, sua envergadura de asa de 15 metros permanece relativamente intacta. Quatro canhões de 20mm, em dois pares, adornam as asas. Seu enorme motor de 18 cilindros está separado da fuselagem e está próximo à asa de bombordo, parcialmente enterrada no fundo do mar. A cabine de pilotagem, aberta e exposta, contem instrumentos, controles, o assento do piloto e o cinto de segurança. Uma série de interruptores e disjuntores se alinham em ambos os lados da cabine de pilotagem.


Os controles de piloto automático e de luz interna na cabine de pilotagem.
Os vestígios da fuselagem, na popa da cabine de pilotagem, contêm restos dispersos de escombros mecânicos assim como um tanque de combustível auto-vedante revestido de borracha. A parte da cauda se quebrou e está enterrada ou perdida. Restos estruturais e brilhantes tubos de aço inox se acumulam dentro e fora da fuselagem.

O local onde estão os destroços do avião não aparecem em nenhum mapa conhecido ou outro recurso de navegação marinha, incluindo a lista da National Oceanic and Atmospheric Administration de embarcações e aeronaves afundadas. Além de um artigo de jornal de 1953 que relata a queda, nenhuma outra informação sobre isso foi publicada.


Canhões de 20mm na asa do Skyraider.


Desde a descoberta do local dos destroços, descobrimos que a maioria dos caçadores de naufrágios profissionais mantém um habito rigoroso de não tornar pública a localização das descobertas para preservar os pontos o máximo de tempo possível. Embora não sejamos de forma alguma caçadores profissionais de naufrágios, nós também optamos por aderir a essa prática.

As leis federais protegem firmemente os destroços de qualquer aeronave militar dos Estados Unidos. A aeronave, seus artefatos e campo de escombros não podem ser "perturbados" sem incutir em graves penas civis e até criminais, de acordo com o Sunken Military Craft Act de 2004.

Entramos em contato com vários museus de história da aviação em uma tentativa de solicitar a preservação ou recuperação da aeronave através de uma autorização da Marinha. Até que esses esforços produzam frutos, os destroços serão deixados intactos em sua atual posição, esperando para serem descobertos pelo próximo mergulhador curioso procurando por um novo ponto de mergulho e um fascinante vislumbre da história da aviação.
Para Mais Informações
Para saber mais, visite LaJollaSeaLife.com.

© Alert Diver — 1º Trimestre 2015

Language: EnglishSpanish