Capacitando um Espetáculo






São 6:30 da noite em Las Vegas, Nevada. Em um pequeno escritório no Bellagio Resort e Casino, o plano de mergulho é anunciado: "Jorge como Philemon, Anja como Aurora, Benedict como O Velho…duo trapeze com os Alimovas…15 artistas na Barca…" Esse não é um plano de mergulho típico. Nessa preleção, membros da equipe aquática estão discutindo a sequência da apresentação dessa noite de O do Cirque du Soleil. Enquanto isso, 1.800 convidados estão se acomodando no teatro para assistir ao espetáculo.

Por mais de 8.000 apresentações, a equipe de mergulhadores, conhecidos como manuseadores de artistas, tem funcionado como os mergulhadores de segurança da apresentação, treinado seus integrantes e dado apoio nos bastidores e sob a superfície do "palco". O palco é uma piscina com 5,7 milhões de litros de água, 7,6 metros de profundidade, aquecida a 30,5oC e equipada com sete elevadores hidráulicos que permitem que a apresentação aconteça em qualquer lugar entre 46 centímetros acima até 5 metros abaixo da superfície.

Durante cada apresentação, 14 mergulhadores trabalham em perfeita sincronia – de acordo com sua própria coreografia – com o que está acontecendo no palco. Eles contam com orientação a partir de uma "gávea, " um console 14 metros acima do palco, no qual um membro da equipe aquática monitora seis mergulhadores carpinteiros e dois mergulhadores montadores. Esses mergulhadores são responsáveis pela manipulação de marionetes e montagem e desmontagem do cenário, fazem tudo utilizando equipamento de mergulho autônomo. Quatro outros membros da equipe aquática se concentram em dar suporte aos artistas, fornecendo-lhes ar e transportando-os a nado para vários pontos na piscina, o que é essencial para a magia do teatro.


O O do Cirque du Soleil é uma apresentação como nenhuma outra. Seu
palco é uma piscina de 7,6 metros de profundidade, e seus artistas
necessitam de auxílio cuidadosamente coreografado de uma equipe de
14 mergulhadores.
Dois membros da equipe aquática usam máscaras full-face e funcionam como "comunicadores". Esses mergulhadores estão em contato direto com a gávea, através de comunicações físicas– eles observam em primeira mão o que está acontecendo debaixo da água e relatam quaisquer atrasos ou necessidades de manutenção à gávea. Na gávea, o operador monitora sete circuitos fechados de televisão que mostram diferentes visões do palco tanto acima quanto abaixo da água. A gávea monitora a condição da piscina e se comunica com a direção de palco sobre quando é seguro pegar a próxima deixa para manter a apresentação andando. Entre artistas e técnicos, são necessárias 200 pessoas para produzir O.

Embora o nome do espetáculo seja simples (O é a pronuncia fonética da palavra francesa para água, eau), a produção é tudo menos simples. Antes da criação do espetáculo em 1997, não havia precedentes para tal apresentação. Os criadores literalmente escreveram o livro que lançou as bases para esse tipo de produção, e outros espetáculos ao redor do mundo foram inspiradas em O. A equipe técnica é bem versada em espetáculos, tendo trabalhado em outras apresentações em Las Vegas e em todo o mundo, mas a equipe aquática é exclusiva de O.

A equipe aquática, que é composta de divemasters e instrutores com experiências e origens diversas, inclui profissionais do mergulho recreativo, engenheiros, mergulhadores comerciais, mergulhadores de busca e resgate, capitães de barcos e trabalhadores de navios de cruzeiro.



O trabalho dos manuseadores de artistas é bem diferente do trabalho de um ajudante de palco tradicional. Em primeiro lugar esses mergulhadores concentram-se na segurança. Toda a equipe de produção tem orgulho do histórico de segurança do espetáculo. Os membros da equipe aquática frequentemente ensaiam procedimentos de resgate, respostas a emergências e planos de contingência. Todos os membros da equipe concluem um programa de treinamento de salva-vidas personalizado, bem como um curso de Respostas Médicas de Emergência da Cruz Vermelha Americana. Os membros da equipe aquática também fornecem treinamento de mergulho autônomo aos seus colegas quando o espetáculo exige, treinando técnicos como mergulhadores de resgate e artistas como mergulhadores de águas confinadas básicos. Eles também treinam os técnicos no curso da DAN Primeiros Socorros com Oxigênio para Emergências de Mergulho.

O equipamento de mergulho dos manuseadores de artistas é realmente único. Cada mergulhador tem quatro segundos estágios acoplados ao primeiro estágio: um para ele ou ela, e três para oferecer aos artistas quando necessário. Na piscina, mais 35 reguladores estão conectados a um sistema de narguilé para o qual os artistas podem nadar e respirar a qualquer momento. Em um determinado ponto no espetáculo cada manuseador de artista tem que dar apoio a seis nadadores sincronizados enquanto se prepara para estabelecer uma plataforma para outros artistas. Os manuseadores de artistas oferecem dois reguladores do seu equipamento e carregam pequenos cilindros com mais quatro reguladores para os artistas usarem.

Após a preleção antes do espetáculo, os mergulhadores realizam uma série de verificações na água. O ato de abertura é chamado de "Pied Deux", que se traduz em dois pés. Os elevadores estão posicionados a 5 metros de profundidade, e uma grande cortina vermelha flutuante fica na superfície. A equipe aquática se espalha e posiciona uma matriz de 15 reguladores, que estão conectados a um sistema de narguilé. Os artistas entram na água aproximadamente três minutos antes do show começar. Enquanto eles nadam até o centro da piscina eles recebem os reguladores dos mergulhadores e ficam escondidos da plateia até o espetáculo começar e as cortinas se abrirem. Uma vez que os artistas estejam em posição, os comunicadores acionam as luzes indicadoras para avisar que todos estão em posição e que o espetáculo pode começar.



Quando o show começa, a iluminação da piscina diminui até apagar. Dependendo da luz ambiente, os mergulhadores observam os artistas quando eles invertem para começar Pied Deux e então soltam os reguladores de suas bocas. Quando todos os reguladores estão liberados, os mergulhadores tiram os cabos do narguilé do palco e guardam-nos para seu próximo uso. Esse tipo de sequência é executado várias vezes. Cada manuseador de artista é responsável por sua própria "cue track", uma sequência predeterminada de ações que ocorrem durante o espetáculo. Cada sequência prossegue independentemente das outras sequências mas depende completamente da execução das demais. O departamento aquático é responsável por seis sequências na água. Inserido em cada uma das sequências está uma série de "catches", que são alguns dos elementos mais difíceis de uma sequência.

Durante um catch, um artista entra na água, normalmente a partir de uma plataforma elevada. A gávea observa e dita a ação para os alto falantes aquáticos. Quando o artista entra na água ele estende a mão e espera que o manuseador lhe ofereça um regulador. O artista então coloca o regulador em sua boca, desalaga-o e nada com o mergulhador até a próxima marcação ou até a saída. Nesse ponto do espetáculo o mergulhador e o artista exibem uma grande confiança mútua. Essa confiança é cultivada a partir do momento em que um novo artista ou manuseador de artista se junta ao espetáculo.

Os artistas do Cirque du Soleil são atletas de nível mundial; alguns ganharam medalha olímpica de ouro. Eles regularmente realizam façanhas como uma rotina de trapézio de seis minutos seguida por uma queda de 12,5 metros no ar para uma piscina, onde esperam um regulador para que possam realizar a próxima inspiração. Os mergulhadores devem ser dinâmicos na maneira em que trabalham embaixo da água, respondendo rapidamente a situações imprevistas com artistas.


A equipe aquática, os artistas e os técnicos são um grupo muito unido; juntos fizeram 475 apresentações em 2015.


O é um caldeirão de talentos, origens e culturas, o que traz desafios bem como recompensas. Atualmente 20 países estão representados no espetáculo, e as muitas línguas nativas – sem mencionar jargões regionais de mergulho e sinais manuais – frequentemente apresentam desafios de comunicação. Os tradutores auxiliam conforme necessário para garantir que as informações sejam claras e compreendidas.

O elenco e a equipe de O têm orgulho de sua herança e nacionalidades. Algumas vezes por ano toda a equipe se reúne para um dia internacional de comida, no qual cada um traz um prato de seus países de origem. Há também uma sala verde na qual artistas e técnicos se reúnem para festas e eventos esportivos. Os jogos de futebol Americano são sempre populares, mas competições esportivas internacionais como a Copa do Mundo da FIFA ou as Olimpíadas trazem uma emoção especial à sala verde, à medida que todos torcem para seus países de origem.

Devido à natureza do show business, os membros da equipe de O frequentemente trabalham em feriados e sempre se apresentam aos sábados e domingos. A agenda completa – foram 475 apresentações em 2015 - significa que os membros do elenco e da equipe devem muitas vezes perder aniversários, comemorações e feriados com a família. O elenco de O se tornou uma segunda família para muitos dos membros da equipe, que celebram feriados, nascimentos e casamentos juntos.

Conforme os espectadores saem do teatro, eles saem com uma visão que lhes permite criar sua própria história de O com base em como ela os afetou. Pergunte aos membros do elenco de O por que eles gostam de trabalhar em O, e eles costumam dizer que é por causa das pessoas. Embora a equipe aquática seja apenas uma pequena parte do sucesso do espetáculo, seu papel é fundamental para criar o espetáculo que é O.
Saiba Mais
Veja como os vários aspectos do espetáculo se unem em Catch "O" Behind the Scenes.



© Alert Diver — 2º Trimestre 2016

Language: EnglishSpanish