Acidente na Nova Escócia




Depois que um acidente de moto longe de casa deixou Ron Russell e sua esposa seriamente feridos, ele confiou na DAN para transportá-lo de volta para casa.


No dia 4 de julho de 2012, minha esposa, Laurie, e eu estávamos viajando pela Nova Scotia de moto com minha irmã, Judy, e cunhado, Brad. Tínhamos acabado de começar nosso primeiro passeio na Cabot Trail quando eu bati em um pedaço de anticongelante na estrada e perdi o controle de minha moto enquanto viajava a 80 km por hora. Entramos em uma vala e atingimos um muro de retenção de pedra. Laurie foi arremessada 10 metros em direção a estrada, quebrando sua pélvis, enquanto eu aterrissei com a moto e também quebrei a minha pélvis, assim como o meu braço esquerdo e três costelas. Além disso, eu tive um pulmão perfurado, perfurações intestinais e na bexiga e uma grave concussão.

À beira da estrada, aparentemente eu estava tentando chegar até a Laurie - eu estava convencido de que ela não havia sobrevivido ao acidente, e eu precisava vê-la para acreditar que ela estava viva. Se não fosse pela minha irmã que me mantinha sob controle, eu teria me prejudicado muito mais ao tentar me levantar e andar. Eu pessoalmente não me lembro de nada desse dia.

Fui transferido de helicóptero para o Queen Elizabeth II Health Sciences Centre em Halifax, Nova Escócia, onde fui submetido a várias horas de cirurgia de emergência. Laurie foi primeiramente transportada pela ambulância terrestre até Chéticamp, na Nova Escócia. Depois de decidir que seus ferimentos eram mais graves do que eles poderiam lidar, eles enviaram ela de ambulância aérea para o QEII em Halifax também. Judy e Brad voltaram para o nosso hotel para reunir nossos pertences e fazer o check out de todos. Eles então fizeram a viagem de quatro horas até Halifax para ficar conosco.

Como resultado da minha concussão eu fiquei em semicomatose por nove dias. Lembro-me de cada minuto, diferentemente das outras pessoas. Quando os médicos finalmente descobriram a combinação de medicamentos necessários para despertar-me eu sabia de alguma forma o que tinha acontecido, mas não conseguia me lembrar dos detalhes. A primeira memória plenamente consciente que tenho é a de Laurie em uma cadeira de rodas visitando-me na unidade de terapia intensiva (UTI), assegurando-me que ela estava viva. Obviamente, isso significou muito para mim.

Da UTI, fui para uma enfermaria de recuperação por vários dias. Judy ligou para ver como eu estava indo e me disse como todo mundo estava feliz por eu ter finalmente acordado. Ela e Brad ficaram conosco o máximo que puderam e foram para casa só quando realmente tiveram que fazê-lo, apenas dois dias antes de eu acordar. A família de Laurie tinha vindo para a Nova Escócia e voltou para casa antes de eu acordar.

Em seguida fui transferido para uma enfermaria de cirurgia geral, onde eu fiquei em um quarto ao lado de Laurie. Eventualmente, um assistente social do hospital me disse que meu seguro de moto e meu seguro de saúde estavam em uma disputa sobre quem deveria pagar os custos para nos transportar do hospital em Nova Escócia para uma unidade de reabilitação em Salem, New Hampshire. Várias pessoas passaram horas no telefone tentando resolver o desacordo. Nós estávamos diante de muitas semanas no Canadá - 18 horas de estrada de distância de nossas famílias - enquanto nos recuperávamos sem transporte para casa.

Quando eu ouvi a comoção sobre o transporte, eu disse a todos para parar. "Eu tenho isso", eu disse. Eu disse a equipe para pegar a minha carteira e encontrar o cartão branco onde estivesse escrito "DAN" em grandes letras vermelhas. Eu aconselhei o assistente social a ligar para o número no cartão e explicar o que estava acontecendo; Eu assegurei-lhe que tudo seria resolvido. Cerca de 20 minutos depois, a assistente social voltou para o meu quarto e me perguntou: "Onde você conseguiu esse seguro? Eles disseram que organizariam tudo e nos ligariam de volta para informar a hora e data para estarmos prontos. "Eu expliquei o que era a DAN® e que eu estava confiante de que eles iriam agir quando chamados.

O hospital não nos liberaria até que um cirurgião ortopédico perto de nossa casa concordasse em nos assumir como pacientes quando voltássemos. Isso levou alguns dias, o que acabou sendo uma sorte, porque no ínterim eu tive um coágulo de sangue que se soltou e se alojou em meu braço, impedindo qualquer fluxo sanguíneo. Cinco horas e outra cirurgia mais tarde, o coágulo de sangue foi removido e meu braço foi salvo. Se eu estivesse no ar ou em um centro de reabilitação, não há como dizer se eu poderia ter sido diagnosticado e operado a tempo de salvar meu braço.

Poucos dias depois a transferência organizada pela DAN ocorreu: Ambulâncias nos levaram a um aeroporto em Halifax, onde embarcamos em um jato personalizado Gulfstream II e voamos até o aeroporto regional Manchester-Boston, em New Hampshire. Um agente alfandegário nos encontrou na pista e nos liberou para entrarmos nos EUA, e então fomos transferidos para ambulâncias e conduzidos para o Northeast Rehabilitation Hospital em Salem, Nova Hampshire. Eu tive que assinar um único papel, e a DAN arcou com os custo do transporte, que foi de aproximadamente $ 23.000 dólares - um passeio de avião muito caro.

Na primavera de 2013 Laurie e eu fomos ao Boston Sea Rovers scuba show para que pudéssemos conversar com representantes da DAN lá e agradecer-lhes pessoalmente. Eles estavam familiarizados com o nosso caso e ficaram contentes em nos ver e caminhar. Foi muito bom apertar pessoalmente as mãos das pessoas que nos prestaram um serviço tão grande.

Depois de quase $ 500.000 dólares no total de despesas, negociações com três companhias de seguros, três internações hospitalares e reabilitações sem fim, estou feliz em dizer que estamos recuperados. Laurie ainda tem problemas nas costas, mas ela está trabalhando para superá-los. Meu pulmão perfurado curou, e eu estou de volta na água com a bênção do meu cirurgião. A parte mais fácil de toda a provação foi quando a DAN cuidou das coisas para nós; a equipe da DAN foi profissional, cuidadosa e atenciosa em todo o processo. Imploro a todos os mergulhadores que conheço para se associarem a DAN – a DAN certamente estava lá para nós.

Nota da DAN: Imediatamente após um acidente, sempre entre em contato com o SME primeiro. Para que a DAN cubra os custos da remoção ou transporte medico (subsequente ao primeiro transporte de ambulância da cena do acidente), a DAN deve realizar os arranjos da viagem.
Compartilhe Sua História
A DAN já te ajudou? Conte-nos sobre isso em ThereForMe@dan.org.

© Alert Diver — 3º Trimestre 2016

Language: EnglishSpanish